Verônica Sabino lança “Esse meu olhar” em CD e DVD

capa DvD.cdrCom oito projetos solo lançados, “Esse meu olhar” (MP,B Discos /Som Livre) é o segundo DVD da cantora e compositora Veronica Sabino. “Esse projeto fala do que me norteia, do meu gosto pessoal, das minhas influências musicais, independentemente do tempo”, define Verônica.

“Esse meu olhar” reúne clássicos revistos pela lente contemporânea de Verônica. “Não é pelo fato de cantar um bolero, um samba-canção, uma bossa-nova, que eu estou vinculada às gerações passadas – pelo contrário. Eu sou uma cantora pop e também componho e gravo com compositores da minha geração. Esse repertório, apesar de conhecido, chega com uma sonoridade completamente renovada, o que só reforça a minha trajetória, até aqui”, pontua.

Ao lado de Verônica, dois colaboradores fundamentais na montagem desse quebra-cabeças de influências: Roberto Menescal (curadoria) e Stella Miranda, diretora artística do espetáculo que se transformou em CD e DVD. Repertório, roteiro e projeções foram sendo costurados a seis mãos. “Trabalhar com o Menescal foi um reencontro, porque ele praticamente produziu meu primeiro disco. Ele é de uma generosidade incrível e parece um adolescente! Sempre disposto, pronto pra todas. Foi uma escola trabalhar com ele e com a Stella, porque ela também tem isso”.  O convite partiu de Verônica e depois de alguns encontros e bate-papos, viraram grandes amigas: “Stella é uma pessoa adorável de ser conviver, tem um domínio de palco impressionante e abertura para ouvir todas as ideias. Acabou que eu, Stella e Menescal formamos um ‘trio ternura’, deu super certo”, brinca.

Foi Menescal, que também toca em quatro momentos do DVD, quem sugeriu que Verônica expandisse a ideia inicial de centrar o projeto no repertório da lendária gravadora Elenco. “O Aloysio de Oliveira era muito amigo do meu pai (o escritor Fernando Sabino) e acho que muita gente ainda não sabe a importância que ele teve naquele momento, com a criação da Elenco. Mas acabei optando por mostrar o que me fez querer ser cantora, o que me formou”. A referência à Elenco está no projeto gráfico da capa, criado por Monica Martins.

O caldeirão musical de Verônica tem clássicos de Tom, Vinícius, Dolores Duran, Maysa, Carlos Lyra, Menescal e Ronaldo Bôscoli, Marcos e Paulo Sergio Valle, bolero, rock dos anos 60 e pitadas de Jovem Guarda. “Todas as décadas tiveram os seus momentos musicais importantes, mas para mim, a década de 60 foi fundamental. Eu morei em Londres quando criança, assisti “Help” no cinema e me lembro de ver George Harrison atravessando a rua. Toda essa geração musical, de alguma maneira, me norteou”.  O primeiro sucesso nacional de Verônica, “Demais”, foi justamente uma versão para o português da canção “Yes it is”, de Lennon e Mccartney, tema do remake  da novela Selva de Pedra.

Tomando os anos 60 como base, a seleção de Verônica incorpora o que veio um pouco antes e o que viria logo depois, como no caso das canções que remetem às suas origens mineiras. “Garota Nacional”, do Skank, dialoga com “Garota de Ipanema”, totalmente repaginadas, e “Nada Será Como Antes” tem Milton Nascimento em um dueto especial. “O Milton é essa referência da música de Minas e ele aceitou o meu convite na hora. Na minha infância, passava as férias em uma fazenda e achei que tinha que ter um perfume de Minas no roteiro. Meu pai nunca perdeu o sotaque e acabei me tornando uma carioca que fala ‘uai’”, brinca Verônica.

Depois de gravado em Juiz de Fora, com direção de Darcy Burger (numa co-produção do Canal Brasil com o selo MP,B Produções), o DVD entrou em processo de masterização e finalização. Nesse meio tempo, Verônica e Menescal se reuniram novamente, dessa vez para desenvolver uma série inédita para o Canal Brasil, ainda sem data para estrear. “A gente sabia que tinha um projeto atemporal, não houve uma preocupação em correr com o lançamento. Preferimos fazer com calma, rever todos os detalhes, para ficar exatamente como a gente queria”, conclui Verônica, que agora se prepara para levar o show novamente para a estrada.

Confira as faixas do álbum no link: http://jukebox.somlivre.com/playlist-565713245.

Sobre Verônica Sabino – por DJ Zé Pedro

“Verônica Sabino era aquela voz quase escondida no meio de tantas outras belas vozes dentro do grupo Céu da Boca, um bando de jovens musicalmente inspirados que fizeram relativo sucesso com a canção “Clarissa” que hoje, ouvida com atenção, denuncia o canto afinado e diferenciado de Verônica em alguns versos.

Algum tempo depois, ela inicia carreira solo gravando dois álbuns e desfrutando da dor e da delícia daqueles tempos de grandes gravadoras, palpites de produtores e outros jabás. Foi nesse período que duas encomendas para novelas de sucesso tornaram seu canto (re) conhecido em todo o Brasil: “Demais”, uma versão de Zé Rodrix e Miguel Paiva para “Yes It Is”, dos Beatles, e “Todo Sentimento”, de Cristóvão Bastos e Chico Buarque.

Passado o furacão “campeã de execução em todas as rádios”, era hora de iniciar os trabalhos no sentido de construir um fundamento musical e uma discografia de respeito. Foi nesse período que assisti Verônica pela primeira vez no palco do extinto Rio Jazz Club, no subsolo do Hotel Meridien (RJ), num show chamado “Ontem de Novo” onde visitava um repertório de ouro da música brasileira: as dores de cotovelo de Dolores Duran e Maysa Matarazzo, a bossa de Tom e Vinícius e outras grandezas vindas dos nightclubs esfumaçados da Copacabana dos anos 50. Seu álbum de 1993 trazia algumas dessas canções e outras ansiando por novos ares como “Teia” de Guilherme Arantes e uma canção inédita de João Bosco, “Ser ou Estar”.

No ano seguinte, Verônica se mostra ainda mais autoral ao selecionar um repertório somente de grandes compositoras para o álbum “Vênus”, com algumas canções feitas especialmente para ela por Adriana Calcanhotto, Sueli Costa e Zélia Duncan. Nesse período, ela se mostrou interessada nas minhas produções de música eletrônica brasileira (assunto naquele momento pouco explorado) e me fez um convite que mudaria meu rumo como DJ: recriar com ela, em estúdio, o clássico “As Praias Desertas”, numa versão totalmente autoral de 7:47 (!) que encerraria seu disco “Novo Sentido”. Foram dias inesquecíveis para aquele garoto alucinado por cantoras e que tinha Verônica como uma de suas paixões.

Tempos se passaram. Novos rumos em sua carreira. Verônica começa a compor canções que geram em 2002 “Agora”, álbum de caráter deliciosamente pop. Com minha vida transferida para São Paulo, encontros e desencontros marcaram nossa amizade até 2011 quando resolvi abrir a gravadora Joia Moderna e a convidei para o projeto “A Voz da Mulher na Obra de Guilheme Arantes” onde ela fez uma bela regravação de “Loucas Horas”, faixa esta uma das mais elogiadas e adoradas pelo público.

Passado a limpo, escolho agora palavras para descrever a sensação de ser um dos primeiros ouvintes deste novo trabalho de Verônica “Esse Meu Olhar” um retrato da música brasileira como um todo, ou seja, tarefa que somente grandes intérpretes conseguem cumprir por ser este país sinônimo de diversidade rítmica e poética cheio de requebros, baladas e outras levadas. Verônica Sabino desliza com propriedade por todos os estilos, mestra em divisões, emocionante nas intenções. Adoro de cara o arranjo inventivo de “Insensatez”, a malícia de “Besame Mucho” e “Kiss Me Quick”, licenças “internacionais” nesse álbum brasileiríssimo e a simpática ideia de juntar as “garotas” numa só canção: a de Vinicius de Moraes e a do grupo mineiro Skank.

“Esse Meu Olhar” é um disco de redescobertas de um tempo feliz que se foi. Verônica faz este resgate com personalidade, elegância e certa esperança no futuro.

Doce é sonhar, é pensar que você gosta de mim como eu de você. Te amo, Verônica Sabino.”

Verônica Sabino – “Esse Meu Olhar”
Faixas: 12
Preço sugerido DVD: R$ 21,70
Preço sugerido CD: R$ 14,60

1. POT-POURRI :: Demais (Tom Jobim / Aloysio de Oliveira)

Ouça (Maysa)

Saia Do Caminho (Custódio Mesquita / Ewaldo Ruy)

2. POT-POURRI :: Por Causa De Você (Tom Jobim / Dolores Duran)

Insensatez (Vinicius de Moraes / Tom Jobim)

3. POT-POURRI :: Bésame Mucho (Consuelo Velázquez)

Kiss Me Quick (Doc Pomus / Mort Shuman

4. Adeus América (Haroldo Barbosa / Geraldo Jacques)

5. Influência Do Jazz (Carlos Lyra)

6. Chega De Saudade (Tom Jobim / Vinicius de Moraes)

7. POT-POURRI :: Você E Eu (Carlos Lyra / Vinicius de Moraes)

Se é Tarde Me Perdoa (Carlos Lyra / Ronaldo Bôscoli)

8. O Barquinho (Roberto Menescal / Ronaldo Bôscoli) – Part. especial: Roberto Menescal

9. POT-POURRI :: Este Seu Olhar (Tom Jobim) – Part. especial: Roberto Menescal

Só Em Teus Braços (Tom Jobim) – Part. especial: Roberto Menescal

10. Samba De Verão (Marcos Valle / Paulo Sérgio Valle) – Part. especial: Roberto Menescal

11. POT-POURRI :: Garota De Ipanema (Tom Jobim / Vinicius de Moraes)

  Garota Nacional (Samuel Rosa / Chico Amaral)

12. Nada Será Como Antes (Milton Nascimento / Ronaldo Bastos) – Participação Especial: Milton Nascimento

EXTRAS

Bis – Part. especial: Roberto Menescal

Making Of Turnê: Direção Bernardo Sabino

Influência Do Jazz / Você E Eu / Samba De Verão / Adeus América

Making of do show: Direção Bernardo Mendonça

O Barquinho / Samba De Verão / Garota De Ipanema / Garota Nacional

Produzido por Amaury Linhares & Verônica Sabino

Direção Musical & Arranjos: Sérgio Chiavazolli

Assessoria de imprensa Verônica Sabino – Coringa Comunicação
Belinha Almendra – belinha@coringacomunica.com.br – 21.2259.6042

 

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com