Thalles lança seu aguardado álbum de estreia, “Utopia”

Flertando com o universo indie, o cantor  e compositor demonstra maturidade artística em 11 faixas autorais

Não é de hoje que Thalles é apontado como uma nova promessa da música. Em 2013 ele já havia lançado um bem-sucedido EP, chamado That’s What We Were Made For, que conquistou diversos fãs. Na última sexta-feira, o cantor, ator e compositor lançou Utopia (2017), seu primeiro álbum cheio, fruto de um financiamento coletivo que o artista promoveu na internet.
Com uma forte bagagem das artes cênicas e influenciado pela literatura, o cantor cria um universo particular para cada composição. O disco traz 11 faixas autorais divididas em dois atos: um mais solar e outro mais frio. Thalles investe uma dose de lirismo para falar sobre os anseios e paixões de sua geração por meio de histórias figuradas, com personagens ora melancólicos ora audaciosos em busca de suas utopias.
Flertando com a genuinidade dos anos 80, seu rock alternativo ecoa com sons metalizados e elementos eletrônicos. A presença de instrumentos como charango, viola violino, quarteto de cordas ganha destaque a cada nova faixa, conforme o disco evolui para algo mais denso em sua segunda parte.
O disco abre com uma faixa homônima, um convite para adentrar o universo imaginário do cantor: “Let’s go to a place far away, where they don’t know who we are. I can’t lie to you, baby, kids just want acid, love and play hard”. Na sequência, deixa a dor de um amor para trás e cai na estrada em busca de si mesmo com “Back On The Road”.

Sad Boys Club”, carro-chefe do álbum, carrega uma construção mais pop. Um hino para os corações devassos, a música ganhou um videoclipe roteirizado e dirigido pelo próprio Thalles. Com participação dos atores Guta Ruiz e Dudu de Oliveira, o vídeo transita entre o real e o irreal, sobre o quão a mente é contraditória. Lançado como primeiro single em dezembro do ano passado, o clipe ultrapassa 42 mil visualizações no YouTube.

A melancólica “Just When We Were High”  fecha o primeiro ato do disco e foi escrita a partir do contato do cantor com o livro da Patti Smith, também cantora e poetisa, “Just Kids” que relata as memórias afetivas e de aventura da artista com o fotógrafo Robert Mapplethorpe. A abertura da faixa seguinte, “Olivia”, anuncia uma sonoridade pano de fundo para a trajetória da personagem – que foi inspirado na peça teatral BR Trans – para escrever sobre uma mulher transsexual e sua dolorosa libertação.
Em “You, The Ocean And Me”, segundo single do álbum, Thalles dialoga com a obra sensorial de Ismael Caneppele, Os Famosos e os Duendes da Morte. Sob essa atmosfera, ele pode falar sobre relações à distância ao contar uma história de duas pessoas separadas por um oceano, ainda que este possa ser entendido em seu sentido literal ou metaforicamente.
A poética volta a ser casa de Utopia em “The Final Ride”, inspirada no poema Howl, do escritor americano Allen Ginsberg, em que sua persona está em Rockland. Junto a “Redemption” – essas duas últimas canções são mais introspectivas – onde Thalles chega ao fim de sua jornada e os medos e a culpa se dissipam. Elas trazem a calma de encontrar em si mesmo o que sempre buscou fora e a resolução da ideia de utopia: visitar espaços e momentos que nunca viveu antes.

Utopia tem produção assinada por Edu Malta. A capa foi criada pelo artista alemão Valentin Fischer, que nela retrata a nebulosidade e fluidez da mente sobre o corpo, e que utopia é apenas aquilo que você vê.

Ouça Utopia (2017)
Spotify
Deezer
iTunes
Google Play

Napster
TIDAL

Thalles na web
Facebook

Twitter
Instagram
YouTube
Site

Sobre Thalles

Com um bem-sucedido EP na bagagem, That’s What We Were Made For (2013), o ator, cantor e compositor Thalles se prepara para o lançamento do seu primeiro álbum cheio este ano: o chamado Utopia (2017). O gaúcho de 23 anos ficou conhecido também por seu trabalho na novela “Amor à Vida”, da Rede Globo. Seu atual trabalho na TV é na série “Manual para se Defender de Aliens, Ninjas e Zumbis”, primeira produção nacional da Warner.
Em apenas um mês no Spotify, o single “Sad Boys Club” ultrapassou a marca de 50 mil reproduções, chegando ao 13° lugar na parada Brazil Viral 50. Até aqui, o artista soma mais de 200 mil visualizações em seus videoclipes no YouTube.

Thalles é diretamente influenciado pelo seu trabalho na TV e no teatro. Não a toa, cria canções cênicas, em que conta histórias por meio de personagens e seus anseios. Este é o enredo de seu álbum de estreia. Utopia (2017) é resultado de um financiamento coletivo realizado pelo cantor na internet, que recebeu o apoio de centenas de seus fãs e irá apresentar 11 faixas inéditas.

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com