Cafe Republica lança clipe gravado em pontos turísticos do Rio de Janeiro
5 de abril de 2017
Selvagens à Procura de Lei estreia clipe gravado na comunidade do Titanzinho, o berço do surfe cearense
5 de abril de 2017

Radicado em NY, compositor carioca transforma em música poemas de autor americano

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.


Radicado em NY, compositor carioca transforma em música poemas de autor americano

A poesia e a música estão de mãos dadas. Notando isso, o compositor Vinicius Castro resolveu musicar, arranjar e produzir nove poemas do americano Patrick Phillips. O álbum chamado “Broken Machine Project” traz canções de rock, folk e jazz com um toque da musicalidade brasileira, e conta com a participação de nove cantores da cena independente de Nova York. O trabalho encontra-se disponível nas principais plataformas de música digital.

Antes de se tornar música, os poemas habitavam as páginas dos livros “Boy” (2008) e do finalista do National Book Award “Elegy for a Broken Machine” (2015). Mas tornaram-se concretos para Vinicius Castro quando, por acaso em um metrô de NY, ele descobriu o poema “Heaven”, em uma série chamada “Poetry in Motion” (Poesia em Movimento, em tradução livre), que espalha inúmeras poesias pelos vagões dos metrôs novaiorquinos.

“Eu li essa poema e achei muito bonito. Ele falava do céu no sentido de paraíso não como um lugar, mas como um tempo”, explica Vinicius. “Eu tirei uma foto e postei no Facebook, falando que era a definição mais bonita que tinha lido. E minha sogra comentou que achou muito legal e que daria uma boa música. E eu pensei: é, vou musicar esse poema”, revela.

Forte na tradição da poesia latino-americana, o ato de musicar um poema não é comum na cultura americana. Enquanto vemos Manuel Bandeira recriado por Secos e Molhados, Torquato Neto na voz de Gil ou Caetano e João Cabral de Melo Neto recriados por Chico Buarque, o projeto de Vinicius foi visto como inovador por seus parceiros. O “Broken Machine Project” é a união da essência estética dos versos de Patrick Phillips, íntimos e focados na esfera familiar, com a pesquisa sobre a musicalidade americana, realizada por Castro.

“Poesia é uma forma de arte solitária. Só acontece quando estou sozinho. Então ter essa sensação de colaboração, que o que faço foi o combustível para a criação de outros artistas é incrível. Me faz sentir muito menos solitário na arte”, conta Patrick Phillips. “Isso é algo que sempre invejei em músicos: vê-los juntos e imaginar como seria legal fazer o que faço na companhia de amigos”.

Muito mais do que apenas musicar poemas, um dos objetivos do projeto é refletir a música americana. Talvez por isso as canções tenham sido gravadas gravadas inteiramente nos apartamentos dos músicos novaiorquinos. Vinicius Castro levou seu estúdio móvel para porões, quartos e áticos no Brooklyn, Bronx e Queens, usando o metrô de NY, claro. Por mais poético que soe esse modo DIY de gravar um álbum, Vinicius Castro conta sobre as dificuldades que encontrou pelos trilhos:

“Já tentou subir e descer as escadas do metrô carregando quilos de equipamento? (risos) A outra dificuldade foi gravar em ambientes que não são tratados acusticamente numa cidade tão barulhenta quanto NY. Mas fiquei muito feliz que o resultado tenha sido tão bacana e que ter tido o processo de gravação na casa dos instrumentistas tenha trazido esse clima intimista para o disco”, conta.

Artista multifacetado, Vinicius não é estreante neste tipo de iniciativa. Após seu primeiro disco, “Jogo de Palavras” (2010), ele trabalhou no projeto de home studio e vários intérpretes Som na Sala durante todo o ano de 2012. Na ocasião, musicou o “Soneto XXV”, de Pablo Neruda, que chegou a ser regravado no disco “Flor”, de Daíra Saboia. Ele também transformou em canção o poema “A criança que ri na rua”, de Fernando Pessoa, presente no EP “Prematura”, de Taiana Machado. Com o grupo CRIA, seu projeto de música infantil, lançou “A Família” (2013), e foi indicado para o Prêmio da Música Brasileira.

Já o homenageado, o poeta americano Patrick Phillips, é conhecido por sua habilidade em contar histórias sobre a complexa dinâmica dos relacionamentos familiares. Durante sua carreira, a sua obra recebeu prêmios como a Fullbright Fellowship da Universidade de Copenhagen (2010), Kate Tufts Discovery Awards (2005) pelo seu primeiro livro “Chattahoochee” (2004), National Endowment for the Arts Fellowship (2009), e a Guggenheim Fellowship pelo seu último livro “Elegy for A Broken Machine”. E entre os poemas que foram selecionados para o projeto, “The Guitar” recebeu o Lyric Poetry Award da Poetry Society of America; enquanto o “Spell Against Gods” recebeu o 2011 Pushcart Prize.

As canções, como os poemas, trazem reflexões sobre a vida e suas diferentes facetas. Abrindo o disco, a “Spell Agains Gods” é uma espécie de oração ateia, em que deuses oram para os humanos. Dessa forma, o rock vintage aparece acompanhado do órgão hammond de Eric Finland, a guitarra de Justin Mayfield e a voz de Lucia Stavros. Já em “The Singing”, a atmosfera suaviza ao falar sobre uma mãe que nina o seu filho. A interpretação é de Ian Wexelbaum, que também é o baixista da faixa.

O jazz surge na música “Old Song”, em que o trompete de Alex Nguyen se une ao contrabaixo do brasileiro Eduardo Belo e flerta com a voz de Julie Hill. Enquanto o poema do velho violão arranhado, que questiona a noção da eternidade, “The Guitar”, é interpretado por Benji Kaplan, em um folk arranjado com um violão e quarteto de cordas. O rock reaparece na canção “Elegy after midnight”, que conta com uma bateria pesada, baixo e guitarras distocidas, a tabla de Jonathan Singer, e a voz de  Katie Louchheim.

Um piano quebrado encontrado na rua ganhou poema de Patrick Phillips e agora se transforma na música “Piano”, acompanhado do virtuosismo de Devon Yesberger no instrumento-título, e a voz de Krithi Rao. O folk se une ao pop na faixa “Everything”, com acordeon do brasileiro Vitor Gonçalves, e cantada por Kyla Quinn, que dá novas cores ao cantar sobre a guerra civil americana. O pop permanece na próxima canção, “Falling”, que descreve paixões que surgem e desaparecem no metrô de NY, com voz de Aaron David Gleason.

E o disco termina como tudo começou, com o poema “Heaven”, o mesmo que Vinicius Castro encontrou no metrô de Nova York, em 2015. O folk inspirado em Bob Dylan e no bluegrass clássico traz a delicadeza da voz de Maya Solovéy em versos pesados como “It will be the past. And it will last forever” (será passado/e durará para sempre”).

“Não tem como você fugir das suas raízes. E eu comecei a perceber isso ao ensinar as músicas para os americanos. Alguns ritmos e melodias que, para mim, pareciam quadradas e pra eles não eram. Eles tinham alguma dificuldade de entender algumas adiantadas rítmicas, algumas atrasadas que são tipicamente brasileiras e a gente nem nota o quão estão enraizadas na gente”, reflete Vinicius Castro.

O projeto colaborativo “Broken Machine Project” já está disponível para audição gratuita na web e nas principais plataformas de música digital.

Mais informações: http://www.viniciuscastro.com.br/broken/broken.html

Ouça “Broken Machine Project”:

Spotify: http://migre.me/wk3KR
Deezer: http://migre.me/wk3Nb
iTunes: http://migre.me/wk3XG
Google Play: http://migre.me/wk3Ox
YouTube: https://youtu.be/FNrLRZ1dvTs
Soundcloud: http://migre.me/wk3M7

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Os comentários estão encerrados.

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com