Após hiato de 3 anos, Manon Lescaut volta à ativa, disponibiliza músicas nas plataformas digitais e se prepara para lançar novo álbum em 2017

Os últimos três anos não foram nem um pouco tranquilos muito menos favoráveis para a banda paulistana Manon Lescaut.  Subitamente acometida por dívidas financeiras, tragédias familiares dignas de manchete de imprensa marrom e doenças subdiagnosticadas (só para ficar em alguns males), a banda se viu forçada a interromper suas atividades. Pior: a tormenta de azar atingiu-os em cheio logo após a gravação do primeiro disco de estúdio da banda. “Investimos uma boa grana na gravação de treze músicas autorais e não conseguimos nem mesmo divulgar o álbum. O resultado foi pra lá de pífio. Se você fizer um vídeo agora sobre sua paixão por orquídeas, esse vídeo com certeza terá mais visualizações do que todas nossas músicas juntas”, brinca Luiz Furlan, baterista da banda.

Mas com os anos difíceis vieram também a inspiração para músicas novas e a decisão de relançar o disco de 2014. “Talvez o mais prudente teria sido nunca nem ter começado. Afinal, tomar a decisão de montar uma banda de rock hoje é tão razoável quanto resolver abrir uma videolocadora ou uma loja de paletas mexicanas. Estamos bem cientes de que o limite entre a determinação e uma teimosia estúpida é tênue, mas ninguém faz música só para si e nem mesmo apenas para influenciar os outros. No fim das contas, para uma banda existir de fato, mais importante do que influenciar o mundo é observar a influência que sobre ele se exerce”, reflete DJF Uchida, vocalista e compositor da banda.

O álbum de 2014, “People Are Bad For Your Health”, só agora chega às plataformas de música digital (como Spotify e Apple Music). Trata-se do primeiro registro em estúdio da banda (nota: o disco anterior, “Better Luck Next Life After Death, foi na verdade todo gravado em um homestudio quando a banda ainda era um projeto solo de DJF Uchida).  Gravado no Estúdio Lamparina, sob produção de Guto Gonzalez (Tokyo Savannah, Ralo), o disco apresenta faixas com temáticas pouco usuais, tais como as faixas “Fay Wray” (sobre amor à primeira vista em hospitais psiquiátricos), “Body For 2” (sobre alterações de personalidade após acidentes vasculares), “Just Like That” (sobre pessoas sendo enterradas vivas numa vala comum coletiva), 8 Billion Bastards (sobre um lobo solitário que se torna presidente da “maior nação do mundo”) e “Under The Effect Of Blood” (sobre magia negra sendo praticada pela primeira vez em pleno espaço sideral).

A ilustração da capa do disco – feita pelo próprio vocalista da banda – também chama a atenção: nela se veem dois caixões abertos lado a lado e neles, uma criança e um cachorro, tudo desenhado num estilo que remete ao do artista francês Raymond Savignac. “Na verdade, a inspiração da capa veio de um antigo teste psicológico chamado C.A.T. (Children’s Apperception Test), que é uma versão infantil de um outro teste projetivo, o T.A.T (Thematic Apperception Test). Assim como no teste, achamos que seria interessante se a pessoas olhassem para capa e tentassem imaginar uma história com começo, meio e fim para aquele desenho. Já ouvimos muitos relatos de pessoas diferentes sobre a capa do disco e esses relatos sempre acabam dizendo mais sobre essas pessoas do que elas podem imaginar”, constata DJF Uchida.

Agora a banda se prepara para entrar em estúdio novamente e gravar o sucessor de “People Are Bad For Your Health”. O novo álbum – na verdade, um EP com 4 músicas – deve ser gravado no primeiro semestre novamente no Estúdio Lamparina com a produção de Guto Gonzalez. “Na primeira vez que o Luiz e o Uchida gravaram em um estúdio profissional, eles ficaram tão embasbacados com a experiência que deram pouca atenção aos timbres ou à atmosfera das canções. Acho que desta vez queremos chegar mais perto da ideia inicial da banda de fazer a música que uma banda imaginária de pós-punk formada por Bernard Herrmann, John Williams e Danny Elfman faria”, constata o baixista Alcides Amadeu.

O novo álbum, provisoriamente intitulado “We Know Someone You Can Mutilate” deve ser lançado em setembro de 2017 e o primeiro single, a hipnótica e complexamente melancólica “Good Night, Morning Wave”, deve chegar às plataformas digitais em agosto. Sobre a expectativa para os próximos três anos, a banda é cautelosa: “Hoje em dia vivemos uma guerra por atenção. Uma música lançada hoje compete não só com outros lançamentos musicais, mas também com memes, vídeos de gatos e, principalmente, com os posts que as pessoas fazem sobre suas próprias vidas. Você acaba concorrendo com a vida dos outros e fica difícil pegar para si a atenção das pessoas desse jeito. Nos dias atuais, acho que só mesmo o terrorismo tem se mostrado eficiente como distrativo. E olhe lá porque as pessoas já estão se acostumando com a ideia de que eventualmente algumas centenas de pessoas morrerão em algum atentado feito por algum lobo solitário em alguma capital do ocidente”, desabafa DJF Uchida.

Sobre a Manon Lescaut

Batizada com o nome de um subestimado romance francês do século XVIII, a Manon Lescaut surgiu em São Paulo no ano de 2010, como um projeto solo de DJF Uchida (vocalista e guitarrista). Influenciado por PJ Harvey, Elliot Smith, Kazuya Yoshii, Killing Joke, Los Tr3s, Kate Bush, Cocteau Twins e Failure (dentre muitos outros), DJF Uchida resolveu transformar alguns dos riffs que vinha colecionando ao longo do tempo em canções. “Naquela época, às vezes eu ficava sem ter o que ouvir. Criava riffs para ouvir alguma música nova e não padecer de abstinência musical. Era meio que uma busca desenfreada por uma auto-suficiência em riffs”, ironiza DJF Uchida.  Desse processo surgiu o primeiro EP da banda, “Better Luck Next Life After Death” (2010), com 13 faixas autorais e gravadas em casa com o único auxílio de uma Digital Audio Workstation. No ano seguinte, percebendo a necessidade da colaboração com outros músicos para agregar mais dinâmica às suas canções, DJF Uchida postou um anúncio e, a partir dele, se juntaram à banda o baterista Luiz Furlan e, posteriormente, o baixista Alcides Amadeu. Após alguns meses, Alcides Amadeu teve de se mudar de São Paulo e, por conta disso, foi substituído por Leopoldo Lopes. Após uma modesta divulgação do EP, o videoclipe “No For An Answer”, todo feito em animação, chegou a ser destaque no primeiro concurso Clipes e Bandas (2012) e em alguns blogs como o Rockinpress. Em 2014, a Manon Lescaut resolveu gravar seu primeiro disco de estúdio e assim o fez no Estúdio Lamparina, sob produção de Guto Gonzalez, gravando “People Are Bad For Your Health”, com 13 faixas inéditas e autorais. Atualmente, a banda (DJF Uchida, Luiz Furlan e Alcides Amadeu) se prepara para gravar um EP com quatro músicas novas, provisoriamente intitulado de “We Know Someone You Can Mutilate”. O primeiro single, “Good Night, Morning Wave” deve ser lançado em agosto de 2017.

Links:

Official website: http://www.manonlescaut.com.br
Soundcloud: http://soundcloud.com/manonlescaut
Facebook: https://www.facebook.com/bandamanonlescaut

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com